terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Uma pescaria, uma lição, um recorde!

Seis da manhã toca o despertador. “Vou, não vou, vou, não vou…” levanto-me, vou à janela. O céu meio coberto começava a clarear no horizonte, o vento era nulo, as condições pareciam ser boas… “bem, a casa é que eles não vêm ter!”

Visto-me e pego no material que ficara preparado de véspera, num quarto de hora ponho-me no pesqueiro. O mar estava calmo e a água apresentava-se lusa esverdeada.

Começo com uma sammy, uma das minhas amostras favoritas que já me deu algumas alegrias. Uma dúzia de lançamentos, recuperações mais rápidas, mais lentas, com pausas, sem pausas…nada, “não estão a caçar à superfície ou se calhar nem cá estão”.

Troco de amostra: flashminnow. 1º Lançamento, recuperação lenta e linear sem pausas, dá-se um ataque bastante energético mas com pouca luta, recupero de seguida. Era um robalote um pouco maior que a amostra que foi imediatamente devolvido.

“Bem já deu para esticar a linha, e afinal estão por cá”. Continuo a lançar e a recuperar sempre da mesma maneira, mais meia dúzia de lançamentos e outro ataque, desta vez bem mais forte, regulo o drag, trabalho o peixe e ponho-o a seco, 1,2kg, “este vai comigo”.

Continuo a pescar e ao fim de mais alguns lançamentos ferro outro peixe, desta vez o carreto a cantar, era um bom peixe certamente, regulo o drag e começo a trabalha-lo, uma luta que nunca antes tinha sentido, apodera-se de mim um misto de felicidade e nervosismo, passado pouco tempo ponho-o a seco, era certamente o meu recorde, peixe para 3kg.

Feliz da vida desprendo o peixe da amostra, coloco-o num saco e a algum custo na mochila, não corro os fechos até ao fim, ficando género de uma bolsa aberta por cima. “A tua pesca está feita vamos embora”, mas como ainda era cedo continuo a pescar.

Lançamento aqui lançamento ali e SPLASH!!! Algo cai na água mesmo nas minhas costas e sinto a mochila mais leve. Não podia acreditar, não, aquilo não me estava a acontecer, o maior peixe que tinha apanhado em toda a minha vida, depois de estar “seguro” na mochila a desaparecer na água diante dos meus olhos e eu sem nada poder fazer!

Já não estava em casa a dormir, estava no meio da praia a pescar e tinha acabado de perder o meu recorde pessoal! Apoderou-se de mim uma tristeza enorme, “porque é que não fechaste a mochila? A coisa mais simples do mundo!” Enfim, só depois de elas acontecerem é que pensamos que não podemos facilitar em nada, porque no fim, acaba por fazer toda a diferença. Fechei imediatamente a mochila. Mas agora de que é que serve?!

A minha pesca estava terminada por hoje! Só pensava em voltar para casa e no peixe que tinha perdido. Entretanto continuo a fazer lançamentos e a recuperar sem pensar minimamente no que estava a fazer.

Surge então outro ataque, não era mau mas também não era nem de longe parecido ao outro, coloco-o a seco, peixe a rondar o kg também acabou por vir comigo, fechei a mochila!

Não foi suficiente para recuperar o ânimo, o meu pensamento era só um, “porque é que não fechaste a mochila?!”

Amostra para dentro de água, continuo a pesca e passado outros tantos lançamentos a amostra prende. “Estás na praia, aqui não há pedr…” E ainda não tinha acabado de completar o meu pensamento quando, ZZZZZZZZZZZZZZZZZ… ZZZZZZZZZZZZZZ… ZZZZZZZZZZZZZZ… Esqueço completamente o tal peixe. Abro o drag, fecho o drag, apoderou-se de mim nervosismo tal que já nem sabia para que lado havia de rodar o drag. A adrenalina dispara e ZZZZZZZZZZZZZZZ… ZZZZZZZZZZZZZZ... nunca tinha ferrado nada do género! As minhas pernas tremiam agora que nem varas verdes!

Aquela coisa parecia não querer parar! Começo a recuperar lentamente e a andar para o lado para acompanhar o deslocamento do peixe. Fecho um pouco mais o drag, as corridas já não eram tão fortes e parecia estar a ceder. Passado algum tempo vejo-o pela primeira vez.. era GRANDE! Nunca tinha visto algo assim a não ser em fotos e este estava ali, agarrado á minha amostra! Continuo a tremer por todo o lado e começo a falar comigo mesmo em voz alta. “tem calma Artur, tem calma, tem calma.”

Ali fico algum tempo naquele vai e vem até que ele se aproxima, vou jogar a mão a linha… “NÃO! Já perdeste peixe assim”, e lá vai ele mais uma vez, e lá vem ele outra vez, tento jogar lhe a mão á guelra, não vai à primeira nem à segunda, passado algumas tentativas agarro o e levo-o para terra firme.

Acabaram-se os nervos, estava feita a minha pesca e acabei por bater á mesma o meu recorde!






Acusou 5kg certos e 75cm.

Material:
NBS Master Class 3mt ( A que recebi no torneio)
Shimano Stradic 5000FB
FlashMinnow 130 MR

PS: Dedico este peixe a toda a família PCA e em especial ao Bruno.

Um abraço e boas pescarias

8 comentários:

  1. Parabéns Artur

    Já merecias um peixão destes,tens insistido bastante e tens ai o excelente resultado.
    Obrigado pela dedicatória :P

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Fogo men a praça devia estar ai perto.Belo exemplar quando me levas para pescar 1 desses?

    ResponderEliminar
  3. Boas Artur,bonito peixe,os meus parabens.
    É preciso é continuação.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Boas,

    grande peixinho sim senhor...
    Venham mais desses né...

    Abr P.M.

    At: www.spinnmaster.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Olá outra vez,

    é um caso para dizer:

    Artur e o Bigmeu...hehehehe... em vez de minimeu...

    Abr Spinn Master

    ResponderEliminar
  6. Belo relato!!
    E belo robalo!!!

    boas festas e muitos robalos cravados nas fateixas!!

    abraços
    peixinhosemplastico.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. Parabens Artur pelo relato e pelo blogue, já te adicionei.

    Abraço
    Milton Morais
    http://pescacosteira.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Já tinha lido este teu relato e pensei que até já te tivesse deixado uma mensagem mas pelos vistos acabei por me esquecer.
    O relato está formidável e a pescaria foi um espectáculo.

    Muitos parabéns e que agora em 2010 consigas superar este teu record ;)

    Um abraço
    Sérgio

    ResponderEliminar